segunda-feira, 7 de julho de 2014

Mãe dispensa quimioterapia e escolhe maconha para tratar o câncer de seu filho de 3 anos

dthgn
Hoje, Landon é uma criança saudável e feliz, graças ao tratamento baseado no óleo de maconha.
Sierra Riddle, mãe do pequeno Landon de apenas três anos de idade, mudou-se com sua família de Utah para o Colorado(estado que ano passado tornou legal o uso da maconha) após constatar que a quimioterapia de seu filho estava o fazendo sofrer, causando dor intensa, danos nos nervos e uma completa perda de apetite por 25 dias consecutivos.
london_reddle_2_charas
O pequeno Landon Riddle em duas fases de seu tratamento. Fazendo quimioterapia (esq.) e após aderir ao óleo de maconha (dir.).
Sierra fez pesquisas sobre a maconha medicinal e se mudou para Colorado Springs, onde a leucemia de London foi tratada com formas líquidas tanto de THC quanto do composto não psicoativo da maconha, o CBD (Canabidiol). Estamos falando doÓleo de Maconha (Hemp Oil, RSO).
Com quatro semanas de tratamento com a maconha medicinal, Riddle disse que London não só recuperou o apetite e a energia, como o câncer também entrou em regressão – muitas pesquisas sérias já comprovaram a grande eficiência do CBD em deter a metástase em casos de câncer agressivo.
No entanto, Sierra se deparou com outro obstáculo: ela recebeu a visita de um assistente social dos Serviços Humanos do Colorado depois que um médico a denunciou por se recusar a tratar o filho com quimioterapia.
Ela disse: “Eles não estão apenas me obrigando a fazer algo contra a minha vontade de mãe, estão me forçando a deixar meu filho doente”.
Ao ser perguntada se os tratamentos com maconha medicinal estavam ajudando Landon, ela respondeu: “Sim, eles são cem vezes melhor. Eu quero dizer, um milhão de vezes melhor!”
Essa confiança da senhora Riddle na eficácia da maconha medicinal ressalta o crescente aumento em todo os EUA, onde crianças com doenças graves como o câncer estão começando a ser tratadas com maconha medicinal. Pais e mães como ela só querem o melhor para seus filhos e acabam por descobrir como a maconha funciona.
“Desde que ele começou a tomar o óleo, o níveo de suas plaquetas tem sido o de uma pessoa normal e os médicos não conseguem entender o por quê”, explica ela.
Na foto, London segura um cartas em que diz "Meu nome é London e eu não serei intimidado pela tóxica quimio ou asteroides".
Na foto, Landon segura um cartas em que diz “Meu nome é London e eu não serei intimidado pela tóxica quimio ou esteroides”.
Não entendem ou não querem entender? É evidente que a maconha tem ajudado o pequeno Landon, mas nem todos os médicos são adeptos da ganja como tratamento. Não por ignorância, mas por conservadorismo – afinal, não precisa ser gênio nem medico formado pra ver claramente os benefícios da maconha na vida do garoto.
Atualmente, Landon pode brincar com os amigos, ir a escola e levar uma vida completamente normal sem o peso do violento tratamento de quimioterapia. Dessa forma, London se junta à Vivian WilsonMykayla ComstockDavid Sabach,Dahlia BernhardtCharlotte Figi  e milhares de outras crianças que se tratam com maconha hoje no mundo inteiro.
Legalizar o uso da maconha no tratamentos médicos é uma questão de respeito e dignidade. Está cada vez mais provado que não só adultos, mas crianças também podem se beneficiar com a maconha medicinal. Até mesmo animais começam a ser tratados com maconha. A proibição da cura é completamente incoerente e irracional, e cabe à todos nós continuarmos lutando contra essa loucura.